Fechar

Com 50 anos de actividade, a Trivalor, SGPS, S.A. é uma holding de capital 100% nacional que actua no segmento de Business & Facility Services, nas áreas de gestão integrada de serviços, serviços partilhados, saúde e segurança no trabalho, restauração colectiva, restauração pública e catering de eventos, vending, representações e logística, produção alimentar, produção industrial, segurança humana e electrónica, limpeza, benefícios e incentivos, manutenção e gestão de facilities, gestão documental e trabalho temporário e outsourcing.

A abrangente oferta de serviços da Trivalor tem como destinatários empresas e outras organizações públicas e privadas, a operar em diferentes sectores - desde a indústria aos serviços (banca, saúde, ensino, forças armadas e de segurança).

www.trivalor.pt

    As Gorduras Trans na Alimentação

    As gorduras existem na natureza, estando presentes na nossa alimentação, sobretudo sob a forma de triglicéridos. Um triglicérido é constituído por uma molécula de glicerol e três ácidos gordos, podendo estes ser saturados ou insaturados. Os saturados são os piores para a saúde e podem encontrar-se, por exemplo, nas gorduras da carne; enquanto que os insaturados, dividem-se em monoinsaturados e polinsaturados. Os monoinsaturados são bons em quantidades moderadas e existem, por exemplo, no azeite, enquanto que os polinsaturados, apenas interessantes em quantidades moderadas, estão presentes nos óleos.

    Os ácidos gordos trans são normalmente insaturados e estão presentes em quantidades reduzidas, sofrendo uma transformação industrial por hidrogenação parcial, que os torna prejudiciais para a saúde. O objectivo desta hidrogenação é, por exemplo, tornar os óleos líquidos com uma consistência mais sólida, para serem incorporados nas bolachas ou em margarinas utilizadas no fabrico de pastelaria. Os trans também podem aumentar a vida de prateleira de alguns produtos, sendo por isso, muito apetecível a sua utilização.

    Este tipo de gorduras altera o colesterol do sangue, aumentando o LDL (mau colesterol), potenciando assim o risco de doenças cardiovasculares e também uma maior ocorrência de cancros. Na verdade, as gorduras trans, sobretudo se forem originadas industrialmente, são piores para a saúde do que as gorduras saturadas e o seu consumo deverá ser evitado, o mais possível. Provavelmente o nosso organismo não as reconhece como nutrientes e reage negativamente. As recomendações internacionais apontam no sentido de consumir quantidades que não deverão ultrapassar 1% do total de calorias ingeridas diariamente. A mensagem é reduzir o mais possível os alimentos ricos em gorduras trans. Na verdade devemos caminhar no sentido de ZERO trans, não esquecendo que acima de tudo o mais importante é ingerir menos gorduras de uma forma global, ou seja, reduzir as gorduras saturadas a par com as trans.

    Os alimentos mais ricos em gorduras trans:

    São exemplos de alimentos com gorduras trans, todos aqueles em que na rotulagem se leia a presença de gordura vegetal hidrogenada ou parcialmente hidrogenada.

    Existem trans na maioria das bolachas, em algumas margarinas de tipo industrial (usadas no fabrico de pastelaria), em restaurantes que usem óleos em frituras, nas batatas fritas industriais e, poderão também aparecer nas nossas casas, se por exemplo, utilizar óleos polinsaturados para fritura e na verdade, não serem a melhor escolha para esse fim.

    Mas, como podemos descobri-las nos alimentos? Como vêm especificadas nos rótulos?

    Na maioria dos rótulos, a descrição surge como gordura vegetal hidrogenada ou parcialmente hidrogenada, e esses alimentos devem ser reduzidos ao máximo na nossa alimentação, porque como se demonstra essas gorduras estão relacionadas com o aumento do risco de cancros e doenças cardiovasculares.